Crónicas

Apelo a Nação Portista (por Alberto Araújo Lima)

Caros, sei que não foi uma claque organizada, mas o que se passou no aeroporto foi grave e causa dano na nossa imagem e na força do clube.

Apoiei o Lopetegui enquanto julguei possível e deixei cair esse apoio, não ontem, jogo que perderíamos 90% das vezes com qualquer tática, mas no jogo em casa contra o Kiev, que na altura cheguei a apelidar de jogo da época. Essa derrota e a forma como se perdeu (porque as derrotas até se podem aceitar, mas o FCP não criou perigo a jogar em casa) fizeram desmoronar a confiança que ainda mantinha no treinador (e não apenas no treinador).

Adeptos FCPORTO1

Mas preciso de dizer que o que aconteceu no aeroporto NÃO SERVE os interesses do nosso FCP. Os mouros até se babam de alegria e parece que o nosso treinador vai continuar, pelo que apenas estamos a criar condições para o mal ficar ainda pior.

Como penso sinceramente que ele não deve continuar, como referi o jogo com o Kiev valia mais de metade da época, mas como ainda temos muito para vencer ou perder esta época temos de ser inteligentes nos protestos.

Assim, no pressuposto de não fazermos protestos insultuosos e ruidosos em locais não desportivos, entendo que os protestos podem ser feitos desta forma e até serem muito mais consequentes:
1) No início, ao intervalo e no final dentro do estádio do Nacional. Durante o jogo, apoio total à equipa, sem assobios nem insultos;

2) Qualquer que seja o resultado desse jogo, no início, ao intervalo e no final do jogo seguinte em casa. Durante o jogo, máximo apoio para treinador e jogadores;

3) Nos protestos incluir o responsável pela manutenção do treinador, seja com escritos ou cânticos no estádio, para Pinto da Costa perceber que quando não há resultados nem empatia com os adeptos não vale a pena insistir.

Adiciona um comentário