Noticias

Lucho González: «Tenho a ambição de vir a treinar o FC Porto»

O FC Porto não sai de Lucho González. O argentino acompanha ao longe o ex-clube. Aos 39 anos, El Comandante ainda é importante no Athletico Paranaense, mas começa já a projetar os próximos passos. Está a tirar o curso de treinador e assume, com orgulho, que a enorme ligação criada com o Estádio do Dragão e as gentes da cidade o levam a ter como prioritário um regresso. Tudo para ler nesta entrevista exclusiva ao Maisfutebol.

Maisfutebol – Tem admiração por alguma equipa em particular no futebol atual?
Lucho Gonzalez – Vejo muito futebol na televisão, sou viciado. Há vários treinadores que me agradam, alguns deles portugueses. Mas tenho de destacar o Liverpool do Jurgen Klopp. A velocidade de execução, a verticalidade, a aparente invencibilidade que passeia em campo. O futebol está em permanente evolução, tento acompanhar tudo.

MF – Neste futebol moderno tão intenso há espaço para a inteligência de atletas como o Lucho?
LG – Logicamente que sim. Mesmo nas equipas mais intensas e dinâmicas tem de haver um jogador capaz de parar o jogo, pensar e fazer com que os colegas corram menos. São esses jogadores que percebem melhor o que a equipa precisa em determinado momento. Se conseguirmos juntar a inteligência à capacidade física, então temos uma equipa que pode fazer a diferença.

MF – Considera a possibilidade de ser treinador no futebol profissional ou recusa a ideia?
LG – Estou a preparar-me, a tirar o curso, mas sei que é uma função difícil. Não posso afirmar com toda a certeza que vou ser um treinador bom, tenho de me preparar muito bem. Nunca pensei ter um percurso de futebolista tão bom e olho da mesma forma nesta altura para a vida de treinador: tenho ambição, mas não sei como correrá.

MF – Consegue ver os jogos do FC Porto aí no Brasil?
LG – Tenho visto quase todos. Conheço poucos jogadores do atual plantel, a época está a ser difícil. As coisas não estão a sair como se espera sempre no FC Porto. É difícil ser campeão, mas o exemplo do Kelvin está aí para todos verem. Nessa altura já poucos acreditavam no título. Mas o FC Porto tem de ganhar ao Benfica a 8 de fevereiro. Se não ganhar, o golpe será duro. Os adeptos sabem que um Porto-Benfica é quase uma questão de vida ou de morte.

MF – O FC Porto tem dois argentinos no plantel: Marchesín e Saravia. Conhece-os bem?
LG – Não é fácil chegar ao FC Porto e fazer uma adaptação rápida, pois a exigência é máxima. O Marchesín está a fazer uma época boa e a confirmar o que eu já pensava dele. O Saravia não tem jogado, mas vi-o a fazer grandes exibições na Argentina. Com tempo e com trabalho pode mostrar o seu potencial no FC Porto. É um lateral que se projeta bem no ataque, cruza muito bem e que gosta de ter a bola. Continuo a acreditar nele.

MF – No futuro tem a ambição de treinar do FC Porto?
LG – Tenho, sim. Imagino isso, sonho com isso e desejo que se possa vir a concretizar. Desconheço o futuro, mas sonho com o meu regresso ao FC Porto.

Fonte: Maisfutebol


Adiciona um comentário