Sem categoria

Luís Filipe Vieira: “Nunca na vida fui corrupto”

O presidente do Benfica reconhece que ficou magoado com os cânticos de alguns adeptos, que lhe pediram para sair.

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, voltou esta segunda-feira a afastar as suspeitas de corrupção e dívidas que sobre si recaem, fruto dos casos de justiça em que o próprio e o Benfica estão envolvidos.

Em entrevista no “Programa da Cristina”, da SIC, o líder encarnado abordou as críticas que lhe são feitas e suspeitas que são sobre si lançadas: “Corrupto nunca fui na minha vida, não desviei dinheiro nenhum de ninguém. Num cargo destes [presidente do Benfica], de certeza que as pessoas dizem cobras e lagartos da pessoa.”

O Benfica “tirou algum cabelo” a Vieira, que acredita que assumiu um “compromisso para levar uma obra até ao fim” no Benfica e que vai conseguir. A seguir à vitória encarnada sobre o Rio Ave, por 4-2, a claque No Name Boys cantou “Só falta o Vieira.” O presidente do Benfica ficou ofendido: “As pessoas gritaram o meu nome de uma forma que não deviam ter feito. Magoou, logicamente que magoou. Não tenho de dar provas de uma obra que está feita. O Benfica, hoje em dia, paga a tempo e horas, tem património pago que nunca teve.”
Vieira também abordou as críticas que têm sido feitas à preparação da época. “Às vezes as pessoas têm reações que não deviam ter. Depois de um mau resultado, não podemos dar ideia de que estamos a caminhar para o suicídio”, frisou.

Para Luís Filipe Vieira, que “nunca sonhou” ser presidente do Benfica, o cargo que ocupa não é de poder. O mais importante é o que tem conseguido ao serviço do Benfica, embora divida o mérito por todos:

“Há muita gente que diz que a posição que ocupo é mais importante que o Presidente da República. Nnunca encarei como se fosse um lugar de poder. Não me considero um homem de poder. Os benfiquistas podem apreciar-me pelo trabalho que tenho feito, eu e muitos outros. Quando cheguei ao Benfica, consegui retirar a palavra ‘eu’, só assim conseguimos chegar onde chegámos.”


Adiciona um comentário